1 day delivery from 15 local warehouses to all US regions, Canada, UK, Germany, Italy, France, all other EU countries, Dubai, Brazil, Japan, South Korea, Australia & NZ.
Talk to our chatbot Clawdia for instant answers or email us support@fipmed.co for replies within 2 hours.

Como é que os gatos contraem a PIF: O que é que causa a PIF nos gatos?

Como é que os gatos contraem a PIF?

O Coronavírus Felino (FCoV) é a principal causa de PIF nos gatos, embora sejam possíveis outros modos de transmissão.

Coronavírus felino (FCoV)

O coronavírus felino (FCoV) é uma infeção viral comum entre os gatos que, normalmente, não causa quaisquer sintomas ou pode apenas estar associada a uma ligeira diarreia. É altamente contagiosa e pode propagar-se por contacto direto, contacto indireto ou por via fecal-oral entre gatos do mesmo agregado familiar.

O FCoV é um vírus com um envelope e um genoma de ARN de cadeia simples. Muitos desinfectantes populares podem inativar rapidamente o vírus, uma vez que este é bastante fraco. Os gatos que vivem em locais próximos ou em situações com vários gatos são mais vulneráveis à exposição e transmissão.

O FCoV não é um vírus zoonótico, o que significa que não é comum infetar pessoas. No entanto, foram registados alguns casos de infeção humana. O FCoV é mais frequentemente transmitido pelo contacto com a saliva, secreções nasais, fezes e objectos contaminados com o vírus de gatos doentes.

FECV (Coronavírus entérico felino):

A versão menos virulenta do vírus é o FECV. Afecta principalmente o aparelho digestivo dos gatos. Muitos gatos infectados são assintomáticos, o que significa que não apresentam indicações clínicas de doença. O FECV pode produzir sintomas gastrointestinais moderados, como diarreia em certos doentes, mas normalmente desaparece sem terapia. Os gatos infectados com FECV podem libertar o vírus nas suas fezes, infectando potencialmente outros gatos.

FIPV (Vírus da Peritonite Infecciosa Felina):

O FIPV é a estirpe mais perigosa e perigosa do vírus que pode causar a Peritonite Infecciosa Felina (FIP). O FIPV pode surgir de uma mutação do FECV no mesmo animal. A transição do FIPV é mal compreendida e pode ser afetada por uma variedade de circunstâncias, incluindo a resposta imunológica do gato. Os gatos infectados com FIPV podem apresentar febre, letargia, perda de peso, distensão do estômago (na forma húmida) e disfunção orgânica.

Como é que a PIF é transmitida?

O FCoV pode ser transmitido através do contacto direto entre gatos, da contaminação indireta de objectos ou ambientes, da ingestão de fezes contendo o vírus e de gotículas respiratórias de um gato infetado.

Contacto direto:

Os gatos podem ser infectados com o coronavírus felino (FCoV) e, subsequentemente, desenvolver PIF através do contacto próximo e direto com um gato infetado.

Embora o vírus possa sobreviver numa variedade de ambientes, não é transmissível pelo ar e requer contacto direto para ser transmitido de um gato para outro. Isto significa que os gatos têm de entrar em contacto com um animal infetado ou com uma superfície contaminada para que o vírus se propague.

Os cuidados de higiene, o ato de se cheirar mutuamente, as mordidelas, a partilha de tigelas de comida e outras interacções próximas são essenciais para a transmissão da PIF entre gatos, uma vez que é necessária a presença de grandes quantidades do vírus na saliva e noutros fluidos corporais para que a infeção ocorra.

É também importante notar que este modo de transmissão não garante a infeção; mesmo quando expostos diretamente, alguns gatos podem não desenvolver quaisquer sintomas devido à sua composição genética ou ao estado do seu sistema imunitário que lhes confere resistência.

Contacto indireto:

O vírus também pode ser transmitido indiretamente através de objectos e ambientes contaminados. O vírus pode sobreviver no ambiente durante várias semanas nas condições correctas.

Isto significa que, mesmo que um gato não tenha tido contacto direto com um felino infetado, pode ser infetado se entrar em contacto com o vírus através de outras fontes. Por exemplo, os gatos podem ser expostos à PIF através da cama ou dos pratos de comida contaminados pela areia de um gato infetado, de outros gatos que se coçam e mordem o pelo uns dos outros ou que brincam em áreas onde outro gato depositou ou deitou fezes contendo o vírus.

Por este motivo, é extremamente importante que as áreas sanitárias, como as caixas de areia, sejam limpas regularmente com água morna e sabão (não esquecendo de mudar as luvas entre utilizações), bem como a mudança frequente das superfícies absorventes, como os materiais de cama e as tigelas de comida, quando ficam sujas.

Além disso, devem ser fornecidas dietas ricas em nutrientes e cheias de antioxidantes para ajudar a apoiar o sistema imunitário geral dos gatos e maximizar a sua defesa contra infecções como a PIF.

Via fecal-oral:

Os gatos podem ser infectados através da ingestão do vírus que foi libertado nas fezes de um gato infetado. Isto pode acontecer quando um gato se limpa a si próprio depois de entrar em contacto com fezes ou lixo contaminados.

Por este motivo, deve ter-se extrema cautela nos agregados familiares com vários gatos, uma vez que uma boa higiene é fundamental para reduzir o risco de exposição à PIF. Todos os donos devem proceder regularmente a uma higienização adequada do seu agregado familiar felino: assegurar a limpeza regular dos recipientes de comida, evitar a partilha de camas e cobertores entre os gatos da casa, bem como desinfetar uma vez por semana todas as superfícies a que possam ter acesso, tais como tampos de mesa, camas que ainda não são à prova de água, não chegar a áreas onde os esgotos possam escorrer, etc.

Gotas respiratórias:

No entanto, a PIF também pode ser transmitida de um gato para outro através de gotículas respiratórias quando um gato infetado espirra ou tosse. Embora a transmissão respiratória da forma mais virulenta do coronavírus entérico felino (FCoV) seja menos comum do que outros modos de transmissão, como o contacto direto ou indireto, é ainda possível que um gato saudável inale o vírus se estiver suficientemente próximo de um animal infetado quando este liberta estas partículas infecciosas.

 

PIF Factores de risco:

Os gatos com menos de dois anos, com mais de dez anos, de raça pura ou de gatis, que vivem em ambientes sobrelotados e os que têm o sistema imunitário comprometido podem estar em maior risco de desenvolver PIF.

Idade: A PIF é mais frequente em gatos com menos de 2 anos e com mais de 10 anos de idade. Os gatinhos e os gatos mais velhos parecem estar em maior risco.

Os gatos mais jovens e os gatos idosos têm frequentemente um sistema imunitário imaturo ou enfraquecido que os pode colocar em maior risco de desenvolver PIF. Estes grupos etários também tendem a ser expostos mais frequentemente ao coronavírus felino, uma vez que podem viver dentro de casa com outros gatos, sair para aventuras ao ar livre ou entrar em contacto com outros gatos em abrigos ou gatis.

Raça: Certas raças, como os gatos de raça pura ou os gatos de gatis, podem apresentar um risco mais elevado de PIF.

Os gatos de gatis ou de linhas de raça pura podem ser especialmente propensos a desenvolver PIF. Os Abissínios, Bengalas, Birmãs, Himalaias, Ragdolls e Rexes têm um risco significativamente mais elevado de contrair a doença em comparação com outros gatos.

Outras raças de gatos, incluindo birmaneses, pêlos curtos exóticos, manxes, persas e azuis russos, são também consideradas mais susceptíveis à PIF devido à genética e à sua maior exposição em programas de reprodução.

Pensa-se que certos factores genéticos associados aos gatos persas (e às raças associadas) os tornam ligeiramente menos capazes do que outras espécies felinas de controlar o vírus que causa a PIF – tornando-os mais propensos à infeção se entrarem em contacto com ele.

Existem provas que sugerem que os gatos persas são portadores de “alelos predisponentes” para esta doença, o que os torna vulneráveis quando expostos ao vírus que causa a PIF, o que significa que os proprietários destas raças orientadas devem tomar medidas para se defenderem melhor contra a sua propagação entre os membros de agregados familiares com vários gatos.

Condições de vida lotadas:

Os gatos que vivem em situações de aglomeração ou stress têm um maior risco de entrar em contacto com o coronavírus felino, o que pode resultar em infeção e subsequente desenvolvimento de PIF.

Alguns factores de risco relacionados com a vida em condições de aglomeração incluem a proximidade com outros gatos, a partilha de recursos (como pratos de comida, caixas de areia e camas) e sistemas imunitários enfraquecidos devido ao stress.

Em particular, a exposição a outros gatos é um fator importante para a transmissão, uma vez que os gatos infectados libertam o vírus na sua saliva ou fezes. O contacto próximo entre gatos permite que o vírus se propague mais facilmente.

Nos agregados familiares com vários gatos e nos abrigos, é importante reduzir as possibilidades de transmissão, promovendo boas práticas de higiene, tais como a desinfeção das superfícies com produtos de limpeza doméstica e a lavagem regular das mãos entre as carícias dos diferentes felinos.

Genética:

Alguns gatos podem ter uma predisposição genética que os torna mais susceptíveis de desenvolver PIF. Isto pode estar relacionado com o seu sistema imunitário ou com a sua capacidade de controlar o coronavírus felino.

A composição genética de um gato pode torná-lo mais vulnerável à infeção, quer tornando-o incapaz de reconhecer e combater as partículas de vírus invasoras, quer tornando as suas membranas celulares menos resistentes ao vírus.

Podem também tornar certas células dos gatos susceptíveis a uma resposta imunitária que desencadeará uma inflamação que conduzirá a mais danos nos tecidos. Além disso, alguns gatos podem não ter a capacidade de controlar a replicação da estirpe perigosa do coronavírus felino associada à PIF, aumentando assim a sua suscetibilidade de desenvolver esta doença.

Stress:

O stress afecta negativamente o sistema imunitário dos gatos, reduzindo a sua capacidade de combater as infecções. Os gatos podem ficar stressados quando sofrem qualquer mudança significativa no seu ambiente ou rotina – como mudar de casa ou ser apresentado a um novo animal de estimação.

Quando um gato é exposto a factores de stress, o seu corpo liberta hormonas que suprimem a produção e a função de certas células imunitárias. Isto faz com que o desempenho geral do sistema imunitário do gato diminua, tornando-o mais suscetível não só à PIF mas também a outras doenças ou enfermidades, como as causadas por parasitas e bactérias.

É importante que os donos de gatos estejam conscientes de como o stress pode comprometer a imunidade do gato e que tomem medidas para atenuar os seus efeitos sempre que possível. Por exemplo, se estiver a introduzir um novo animal de estimação ou membro da família no seu ambiente doméstico, é aconselhável fazê-lo gradualmente – dando tempo aos animais de estimação existentes para se adaptarem lentamente, sem se colocarem sob demasiada pressão.

Estado do sistema imunitário:

O FeLV e o FIV são infecções virais que afectam os gatos e que atacam o sistema imunitário do gato. Como resultado, os gatos com sistemas imunitários enfraquecidos devido a qualquer um dos vírus têm frequentemente dificuldade em combater outras doenças ou enfermidades, incluindo a PIF.

Os gatos com doenças subjacentes, como o FeLV ou o FIV, podem ser menos capazes de montar uma resposta eficaz contra a infeção por coronavírus quando expostos a ela e mais susceptíveis de sucumbir ao desenvolvimento da doença.

Os gatos subnutridos também são susceptíveis de desenvolver PIF.

Formas de prevenir a PIF

Os donos de gatos podem ajudar a reduzir o risco de os seus gatos contraírem PIF assegurando vacinações regulares, promovendo um sistema imunitário saudável e tomando medidas de higiene e saneamento adequadas.

Vacinação

A vacinação é uma das principais formas de ajudar a reduzir o risco de um gato desenvolver PIF. Estão disponíveis vacinas que ajudam a proteger contra o coronavírus felino (FCoV), que pode causar PIF nos gatos.

Estas vacinas podem não ser completamente eficazes na prevenção da infeção, mas podem diminuir as hipóteses de um gato exposto desenvolver doença clínica e ter sintomas graves associados à PIF.

É importante notar que alguns gatos podem já ter anticorpos de uma exposição anterior e é mais provável que sejam resistentes à vacinação; no entanto, os gatos seronegativos para o FCoV na altura da vacinação parecem ter muito menos probabilidades de sentir ou mostrar sintomas significativos se forem infectados mais tarde.

Promover um sistema imunitário saudável

Manter o sistema imunitário do gato saudável pode ajudar a prevenir a PIF. Uma nutrição adequada é essencial para promover uma boa saúde e um sistema imunitário forte. Os gatos devem ser alimentados com dietas de alta qualidade, adequadas à sua espécie e isentas de produtos de enchimento e subprodutos.

Limitar a quantidade de alimentos secos na sua dieta também pode ajudar a reduzir a inflamação causada pelos hidratos de carbono da dieta, bem como outras doenças associadas a uma má nutrição, como a obesidade, a diabetes e as infecções do trato urinário (ITU).

Exames físicos regulares com o seu veterinário podem garantir que o seu animal de estimação se mantém saudável e que quaisquer problemas de saúde são identificados precocemente. A vacinação regular contra doenças comuns dos felinos, como a esgana e a raiva, também minimiza o risco de infeção associado a essas doenças.

Se os gatos viverem num ambiente propenso ao stress ou à sobrelotação – por exemplo, casas com vários gatos ou abrigos e instalações de salvamento – pode ser benéfico tentar fornecer brinquedos e postes de arranhar para actividades de enriquecimento, juntamente com espaço suficiente entre cada animal.

Medidas de higiene e saneamento

É importante que os donos de gatos prestem especial atenção à implementação de medidas de higiene e saneamento em torno dos seus gatos, a fim de reduzir o risco de PIF. A limpeza regular das caixas de areia, tigelas de comida e água, roupa de cama, superfícies, brinquedos e transportadores ajudará a minimizar o contacto com o vírus.

A prática de uma boa lavagem das mãos após o manuseamento de artigos potencialmente contaminados também reduzirá a possibilidade de transmissão. Em agregados familiares com vários animais de companhia ou em abrigos, pode ser benéfico ter áreas distintas utilizadas apenas por gatos individuais, a fim de evitar a contaminação cruzada.

Ao cuidar de um gato doente, prefira luvas descartáveis durante todas as interacções até o tratamento estar concluído. Manter estas áreas limpas de fezes e outros detritos, bem como fornecer alimentos frescos, pode reduzir ainda mais a propagação da infeção de um animal de estimação para outro.

Conclusão

A Peritonite Infecciosa Felina (PIF) é uma doença viral grave que não tem cura conhecida nos gatos. Tipicamente causada por uma estirpe mutante do coronavírus felino, a PIF é frequentemente fatal e pode afetar gatos de qualquer idade ou raça.

Para reduzir o risco de o seu gato desenvolver este vírus debilitante, recomenda-se a vacinação, bem como a adoção de medidas para promover um sistema imunitário saudável e manter uma higiene e saneamento adequados.

Em última análise, é importante estar ciente de que, embora nunca possamos erradicar totalmente a PIF, seguir medidas preventivas sólidas pode ajudar a proteger o seu felino da infeção – poupando-o ao sofrimento e potencialmente poupando-lhe a vida.

error: Content is protected
0